quinta-feira, 23 de junho de 2016

2016 - Um ano de muitos desafios para o Pibid

Neste ano o Programa Institucional de Bolsa e Iniciação a Docência (PIBID) sofreu seriamente com cortes e mudanças. O subprojeto de Música da UFC em Fortaleza foi afetado com o cortes de bolsistas com mais de 48 meses de atuação e com a impossibilidade de inclusão de bolsistas que substituíssem os excluídos, os desistentes e os bolsistas formados. No momento, após readequações, nosso subprojeto está atuando em três escolas e não mais em quatro como anteriormente, dessa forma, também passamos a ter três supervisores ao invés de quatro. Em relação aos bolsistas ID, sofremos com a redução de 24 para 21, número que chegou a ser 16 no decorrer do semestre. Há indicativos de novos cortes a partir de agosto desse ano, porém, estes ainda não estão confirmados. 

Apesar dessa instabilidade, no primeiro semestre de 2016 foram muitas as ações realizadas tanto pelos coordenadores nas reuniões formativas ocorridas na universidade, quanto pelos bolsistas que atenderam mais de 150 alunos nas 3 escolas parceiras: EMEF Bárbara de Alencar, EEFM Fernandes Távora e EMEF José Alcides Pinto. Nessas instituições os Bolsistas ID realizaram dois tipo de atividades: Aulas no turno e Oficinas oferecidas em contraturno, dentre elas, oficinas de: violão, teclado, flauta-doce, percussão, trompete e de canto.

Para saber mais sobre as atividades desenvolvidas pelo subprojeto de Música no primeiro semestre de 2016, basta acessar os Blogs do subprojeto em cada escola, clicando nos links abaixo:



 

terça-feira, 22 de setembro de 2015

PIBID da EEFM Fernandes Távora Realiza Festival de Música

Nos dias 14 e 15 de setembro de 2015 foi realizado um Festival de Música na EEFM Fernandes Távora. O evento foi planejado e coordenado pelo Supervisor do PIBID na escola, o professor Evaldo Fernandes da Silva. Aos bolsistas ID coube a organização das apresentações dos alunos da escola e a intermediação com as demais escolas do PIBID Música UFC. Desta forma, apresentara-se no evento, além dos alunos e professores da própria escola, alunos e bolsistas das escolas José Alcides Pinto, Bárbara de Alencar e José de Alencar. O evento contou ainda com a participação do professor Coordenador do Subprojeto de música do PIBID na Universidade Federal do Ceará, Jaderson Teixeira, que relatou da alegria em poder ver as atividades do Pibid ativamente desenvolvidas na escola.







terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Trabalhos Apresentados nos Encontros Universitários de 2014

XXIII Encontro de Iniciação à Docência

 

CASA DA MÚSICA: UM ESPAÇO DE MUSICAL FORMAÇÃO FACILITADO PELO PIBID 


Resumo:

O propósito desse trabalho é relatar, uma atividade desenvolvida no Programa Institucional de Bolsa de Iniciação a Docência, Casa da Música, aplicada a estudantes da Escola Municipal José Alcides Pinto do sexto ao oitavo ano do ensino básico, no bairro João XXIII na periferia de Fortaleza. A atividade é realizada por bolsistas do curso de Música-Licenciatura da Universidade Federal do Ceará e trabalha educação musical numa abordagem holística e lúdica relacionando ações pedagógicas distintas a ambientes domésticos como sala de lazer (ambiente sonoro), sala de estar (teoria musical), cozinha (prática musical) e quarto (apreciação musical). Esse procedimento favorece a produção de um dispositivo pedagógico vivo em que o espaço físico provoca a expectativa de vivências, saberes e competências musicais. A associação entre os ambientes, onde o contexto escolar lembra o familiar, tem oportunizado uma maior desinibição e espontaneidade na produção artística por parte dos alunos, facilitando as expressões individuais e coletivas instigando de maneira lúdica o estudo e percepção da música no cotidiano, principalmente no ambiente doméstico. Tendo como proposta que a Casa da Música sempre esteja em construção, servindo como um grande campo de pesquisa e experimentação de novas metodologias que a educação musical brasileira atualmente demanda. Ela apenas está começando a constituir sua família. Logo seremos uma grande linhagem e essa gerará outros, até possuirmos belíssimas árvores frondosas produzindo mais frutos sonoros para o mundo, onde suas raízes foram cultivadas em um lar musical, longe de antropofagismo ditatoriais e nuances performáticos que desvirtuam o sentido de ser e fazer música.

Orientador:Jaderson Aguiar Teixeira
Autor Principal:João Paulo Ribeiro de Holanda
Co-Autores:Bruno Sousa Santos
Bruno Queiroz Alves

EDUCAÇÃO MUSICAL INFORMAL E AUTOAPRENDIZAGEM 


Resumo:
Este trabalho procura investigar como ocorre o processo de aprendizagem informal. Discute-se introdutoriamente a relação entre ensino formal, não-formal e informal. Em seguida, analisa-se entrevistas com pessoas que passaram pela experiência de aprender música de uma maneira informal. Esses indivíduos entrevistados participam atualmente de um agrupamento social denominado Projeto Mirc (Movimento Independente de Rock e Cultura). Um dos principais objetivos do referido projeto consiste em tirar a juventude da ociosidade, movimentando a comunidade com eventos em que bandas autorais de rock toquem em festivais realizados pelo projeto. Alguns integrantes de bandas que integram o projeto foram entrevistados. De modo indutivo, observou-se que tais indivíduos, em sua maioria, estudaram e se mantém estudando musica por conta própria, chegando a fazer uso do software “Guittar Pro”. Observou-se que a maior dificuldade nesse processo de autoaprendizagem foi a falta de direcionamento didático. Por outro lado, concluiu-se que as estratégias de autoaprendizagem entre amigos, mediante o acesso a instrumentos musicais e ferramentas de instrução musical virtual foi um processo que conduziu o desenvolvimento musical dos entrevistados, conservando o interesse deles em estudar música. Por fim, reflete-se sobre o motivo pelo qual existem concepções prévias quanto ao modo formal e informal de estudar música. Em nosso contexto, observa-se que poucos indivíduos têm recursos financeiros e/ou oportunidade de estudar em instituições públicas que ofereçam esse estudo especializado.

Orientador:Jaderson Aguiar Teixeira
Autor Principal:Jasna Tayna de Carvalho Pinto
Co-Autores:Francisco Rafael de Sousa
Rafael Sousa de Maria




FORMAÇÃO DO EDUCADOR MUSICAL NA UFC 


Resumo:
A equipe do PIBID da Escola Municipal José de Alencar decidiu entrevistar professores, ex alunos, alunos e interessados no ensino de música ofertado pela Ufc para entender as trajetórias pessoais que levaram até o presente momento ao interesse por ser educador musical formado pela ufc. Entrevistamos dois adultos com mais de trinta anos que já trabalham com música e sentem a necessidade de aprender de modo sistemático a música. Passamos a entrevistar alunos já formados pela UFC. Finalmente entrevistamos alguns dos professores do curso procurando investigar suas trajetórias pessoais na música e como educadores. Observamos que o processo na maioria das vezes ocorreu fora do ensino formal da música e de forma paralela a um estudo em outra área que não música. A música na vida deles se inicia como um passa tempo e se torna cada vez mais importante até que se colocam como agente criador de música regendo e compondo para corais e grupos musicais. Um construir musical baseado no fazer e em segundo momento no estudar formal na universidade. O prof. Gerardo como coordenador do curso esclareceu o posicionamento da ufc na questão da não exigência do teste de aptidão para o ingresso dos alunos, comentou sobre as dificuldades dos alunos nas cadeiras de solfejo. Falou que as dificuldades que o curso enfrenta atualmente e que o aluno precisava pra se tornar um bom educador musical.Ao final do seminário perguntamos aos colegas presentes que atualmente cursam a licenciatura sobre suas trajetórias e se intencionavam lecionar.

Orientador:Jaderson Aguiar Teixeira
Autor Principal:Lia Villar Nogueira Paes
Co-Autores:Paloma Alves Cabral
Raul Facundo Honorato

GRUPO DE FLAUTAS DOCE DA E. M. CLAUDIO MARTINS 


Resumo:
A partir da implementação do PIBID-Música, na Escola Municipal Claudio Martins, vivenciamos experiências nas quais percebemos a necessidade de retomar as aulas de flauta doce que estavam temporariamente canceladas por falta de professores capacitados e desenvolver um processo de musicalização que cultivasse valores na formação humana dos estudantes. O presente trabalho tem como intuito apresentar a construção do grupo de flautas doce soprano com a participação dos estudantes do 6º ao 9º ano em contra turno dentro de um contexto colaborativo. Os encontros acontecem duas vezes por semana com duração de 2h/a, nos quais desenvolvemos rodas de conversas que permitem a nós bolsistas um contato prévio com a realidade do estudante, a realização de exercícios rítmicos corporais com o intuito de proporcionar ao grupo a apropriação de elementos musicais como pulso, métrica, andamento e intensidade que são aplicados a prática instrumental em conjunto. Constatamos em nossas práticas a importância da oralidade no processo de ensino e aprendizagem de padrões rítmicos e na memorização das sequências melódicas aplicadas ao instrumento. Podemos observar também como resultados preliminares a participação assídua dos estudantes nas atividades musicais, o desenvolvimento do potencial musical e a prática de valores como respeito, responsabilidade, comprometimento, cooperação e cooperação.

Orientador:Jaderson Aguiar Teixeira
Autor Principal:Amanda Araujo de Sousa
Co-Autores:Josemberg de Lima Tavares
Danilo Frota Ferreira







METODOLOGIA DAS OFICINAS DE MÚSICA REALIZADAS PELO PIBID-MÚSICA NA EMEIF CLAUDIO MARTINS


Resumo:
Com o intuito de desenvolver aspectos relevantes na aprendizagem da teoria musical e também da história e cultura popular brasileira, para o decorrer do ano de 2014, foram propostas uma série de oficinas que vem sendo ministradas junto a disciplina de Artes, para os alunos do oitavo ano do ensino fundamental da Escola Municipal Cláudio Martins. As mesmas visam o desenvolvimento da música percussiva através do aprendizado rítmico dos estilos baião, maracatu e afoxé, formação de um repertório para apresentações, as quais somadas valerão como avaliação aos fins de bimestre, valorizando o modelo construtivista de participação e fomento das aulas e também a interação direta entre alunos e os bolsistas do programa, culminando com a desconstrução do senso comum pré-estabelecido a respeito da formação histórica da cultura popular brasileira. Metodologicamente as oficinas transcorrem de maneira a valorizar o uso do corpo e a expressão da arte, onde dá-se incício com a aclimatação da turma, através de dinâmicas de relaxamento, entrosamento e posterior alongamento, seguidos de exercícios ritmicos corporais. A um novo rítmo apresentado é contextualizado como se deu a formação do mesmo com textos e filmes, como manifestam-se tais culturais, as relações que por ventura venham a ter com a vida dos alunos e também bolsistas, dentre outros. Culminando ao fim com o ensaio de repertórios que dispõem de rítmos e melodias, mediados pelo corpo, de instrumentos disponíveis na escola como triângulo, timba, agogo, violão, etc.

Orientador:Jaderson Aguiar Teixeira
Autor Principal:Danilo Frota Ferreira
Co-Autores:Josemberg Lima Carvalho
Amanda Araújo de Sousa



O CAMPO DE EDUCAÇÃO MUSICAL EM FORTALEZA 



Resumo:
O presente artigo tem por finalidade traçar um breve perfil do Campo Musical na Cidade de Fortaleza, começando com um breve histórico da educação musical (formal) iniciado quando da inauguração da Escola de Música Henrique Jorge, passando pela fundação do Conservatório de Música Alberto Nepomuceno, pela criação da então Universidade do Ceará (atual UFC- Universidade Federal do Ceará), discorrendo acerca da associação e dissociação de ambas, seguindo com a criação da UECE (Universidade Estadual do Ceará), bem como da incorporação do Conservatório ao núcleo de artes desta, abordando sobre o nascimento do Curso de Extensão em Música da UFC, até a arquitetação do Curso de Licenciatura em Música da UFC. O texto nos fala, ainda, sobre o especialista da música na cidade de Fortaleza, trazendo um panorama das transformações ocasionadas no decorrer do tempo. Traz também algumas questões com relação ao preparo e atuação dos músicos, tais como: até quando os músicos estão prontos para desenvolverem suas funções como profissionais? Em que áreas de atuação esses profissionais da música terão espaço? Quais as escolas e instituições de ensino que vem desenvolvendo o papel formador nesses últimos dez anos na cidade? Por fim, o presente texto traz uma reflexão sobre a atividade coral como lugar de musicalização, entendendo-a como elemento agregador, compreendendo a formação artística como um processo coletivo de vivências, tratando da importância histórico-social do canto coral na cidade, o surgimento de corais como o Coral Zoada, Coral da UFC, grupos vocais como o Macho Pero No Mucho e o parimento de inúmeros coros nas décadas de 80 e 90, fechando com uma problematização da escassez de recursos, capacitação e reconhecimento do educador musical em Fortaleza bem como no Brasil.

Orientador:Jaderson Aguiar Teixeira
Autor Principal:Marcus Vinicius Carvalho
Co-Autores:Roger de Paula Freitas
Alexsandro da Silva Freitas








sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Atuação do PIBID-Música na Escola José de Alencar

Os estudos musicais desta escola tem se desenvolvido a partir de atividades de prática de flauta doce e canto coral.







segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Parabéns João Paulo!

Este é o resumo da primeira produção científica recentemente finalizada pelo bolsista ID João Paulo, atuante na EMEF José Alcides.
O artigo foi submetido para o Encontro da ABEM Nordeste que será realizada no Maranhão neste semestre.
Boa Sorte!

Casa da Música:
Um espaço lúdico de musical formação, facilitado pelo PIBID
João Paulo Ribeiro de Holanda
Resumo: O propósito desse artigo é relatar, uma atividade desenvolvida no Programa Institucional de Bolsa de Iniciação a Docência, Casa da Música, aplicada a estudantes da Escola Municipal José Alcides Pinto do sexto ao oitavo ano do ensino básico, na periferia de Fortaleza. A atividade é realizada por bolsistas do curso de Música-Licenciatura da Universidade Federal do Ceará e trabalha educação musical numa abordagem holística e lúdica relacionando ações pedagógicas distintas a ambientes domésticos como sala de lazer, sala de estar, cozinha e quarto. Esse procedimento favorece a produção de um dispositivo pedagógico vivo em que o espaço físico provoca a expectativa de vivências, saberes e competências musicais. O artigo relata o contexto histórico e as nuances concernentes à construção de tal espaço, descreve o seu funcionamento, as metodologias norteadoras para o ensino proposto, apresenta resultados parciais e reflexões que realimentam as intervenções nesta prática docente.

Palavras chave: Educação musical, paisagem sonora e ludicidade.